5 dicas para quem quer investir na profissão de motorista

Viajar por vários lugares, conhecer novas pessoas e novas culturas são apenas alguns dos benefícios que a profissão de caminhoneiro pode trazer para quem escolheu a estrada.

Mas para quem está pensando em investir na profissão, várias dúvidas podem surgir e algumas informações são primordiais para começar a analisar a possibilidade. Por isso, separamos cinco dicas para você se informar. Confere só. ?

Tipos de carteira

Aqui no Brasil, o Sistema de Habilitação dispõe de cinco tipos de carteira nacional de habilitação para diferentes tipos de veículos. A categoria A é para veículos com duas a três rodas, como motos, motocicletas ou triciclos.

Já a categoria B é direcionada a carros de passeio. Porém, a categoria B não habilita motoristas a utilizarem veículos da categoria A. Para isso, é preciso tirar as duas habilitações separadamente, uma A e uma B.

A categoria C é voltada para veículos de transporte de carga que ultrapassem 3.500 kg e até oito pessoas. Tratores e máquinas agrícolas entraram nessa categoria e para tirar a carteira C é preciso ter pelo menos um ano de habilitação na categoria B.

A categoria D é indicada para quem tem interesse em conduzir ônibus. Com ela, você está habilitado a conduzir veículos de transporte de passageiros com mais de oito lugares. Mas para tirar essa habilitação, você precisa ter mais de 21 anos, ter a habilitação na categoria C há mais de um ano e na categoria B há mais de dois anos.

E por último, a categoria E habilita para a condução de veículos de duas unidades, sendo que a primeira deve se enquadrar nas categorias B, C ou D e a segunda unidade deve ter mais de 6 mil quilos, ter mais de oito lugares ou ser um trailer. Para essa categoria, também é preciso ser maior de 21 anos e ter carteira nas categorias C e D há mais de um ano.

Mas fique atento! Para quem precisa tirar as habilitações nas categorias C, D e E, as habilitações anteriores não podem possuir nenhuma infração grave ou multas dentro de um período de 12 meses. Então fique esperto. ?

motorista_conduzindo_veiculo

Ser profissional autônomo ou empregado?

Essa é talvez a questão mais complexa que deve ser respondida antes de entrar na profissão: ser profissional autônomo ou trabalhar em uma empresa de transporte? Vários pontos devem ser levados em consideração na hora de tomar essa decisão.

Dinheiro para investir em um caminhão, bons contatos no mercado e a consciência de que tocar o próprio negócio não é algo fácil e devem ser estudados na hora de ser um profissional autônomo.

Se você prefere não se incomodar com as responsabilidades do próprio negócio, é novo no mercado e quer ter experiência, o mais indicado é investir em procurar um emprego em uma empresa de transportes e fazer sua carreira. Além disso, você dispõe de todos os benefícios e a segurança de trabalhar com carteira assinada, usufruindo de todos os seus diretos como trabalhador.

Invista em cursos extras

Com a carteira em mãos e depois de ter definido qual caminho seguir, o próximo passo é investir em qualificação profissional. Alguns cursos são obrigatórios por lei, como o MOPP – Movimentação Operacional de Produtos Perigosos. Ele é indicado para qualquer motorista que vá trabalhar na área industrial ou comercial e irá trabalhar com transporte de produtos como gasolina, por exemplo. É um curso rápido, com carga horária de 40 a 60 horas.

Outro curso extremamente específico é o de Transporte de Cargas Indivisíveis, que trabalha com a movimentação de cargas únicas, com peso elevado e grandes dimensões, como toras, guindastes ou blocos de rochas.  O Sest Senat oferece o curso gratuitamente e ele tem carga horárias de 50 horas.

Além dos cursos específicos, você pode investir em cursos de aperfeiçoamento, de gestão, de marketing, entre outros. O Sest Senat disponibiliza vários cursos online e gratuitos para quem trabalhar na área. Para saber mais, é só acessar esse link.

motorista_estudando

Faça seu currículo

Caso você decida por trabalhar em uma empresa, é hora de pôr a mão na massa e montar seu próprio currículo. Além de informações básicas de identificação e contato, não esqueça de especificar as categorias de carteiras de habilitação que você possui e sua experiência profissional.

E sabe aqueles cursos especiais que você fez? Agora é a hora de sacar mão deles e mostrar que você é qualificado e especializado o bastante para a profissão. Esse tipo de informação demonstra seu interesse e comprometimento com a profissão.

Feito isso, procure por empresas da sua região, envie seu currículo e se possível, agende entrevistas.

Mantenha-se atualizado

Outro fator importante é manter-se sempre atualizado. Normais, lei, cursos obrigatórios, formação de condutores e outros assuntos relacionados ao universo do transporte estão sempre em constante mudança.

Por isso, acompanhe entidades, órgãos públicos e empresas que atuam nesse mercado e busque sempre estar informado sobre tudo. O SEST SENAT – Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte é uma ótima referência, assim como a ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres e o DENATRAN – Departamento Nacional de Trânsito.

Esperamos que todas essas dicas tenham servido para tirar aquelas dúvidas que você tem sobre a profissão e a melhor forma de ingressar nela. E se precisar de algo ou tiver mais alguma dúvida, é só contar com a gente.?